Banco do Brasil

24 de Julho de 2018 às 09:41

Negociação sobre saúde no BB obtém pouco avanços

Houve pouquíssimos avanços na negociação desta segunda-feira (23/7), em Brasília, sobre as cláusulas referentes a saúde, condições de trabalho e segurança da minuta específica dos funcionários do Banco do Brasil. Em poucos pontos o banco caminhou para o entendi- mento, entre eles a concordância em que os correspondentes bancários não façam seu trabalho dentro das agências. A reivindicação do movimento sindical é de que cesse este tipo de trabalho precário através de contratados terceirizados.

Na rodada, os representantes do BB apresentaram proposta de flexibilização do horário de almoço. Os funcionários com jornada de seis horas, que hoje têm 15 minutos para o lanche, passariam a ter até 30 minutos. Os de oito horas com tempo de almoço entre 1 e 2 horas, passariam para de 30 minutos a 2 horas.

O presidente da Fetec-CN Cleiton Silva disse que  não haverá problema em aceitar, contanto que a opção seja do funcionário. “Se for garantido que nada será imposto, não vejo problema”, comentou. Mas na mesa de negociação, não houve resposta conclusiva sobre o assunto. Cassi Para desmentir, mais uma vez, a afirmação disseminada pela diretoria do BB de que as entidades representativas do funcionalismo não têm proposta de sustentabilidade da Caixa de Assistência dos Funcionários (Cassi), a Comissão de Empresa agora a apresentou na mesa de negociação específica. “Que- remos discutir este assunto, que é de suma importância, na mesa de negociação específica. O BB dizia que não tínhamos proposta, apresentamos novamente”, afirmou. Dentre as premissas estão a manutenção do critério da solidariedade do plano da Cassi, colocando de lado a ideia do banco de cobrar por dependente; manter a proporcionalidade contributiva (40% associados e 60% para o BB); bem como a composição da diretoria paritária, composta de eleitos e indicados pelo BB. Mesas temáticas Na rodada passada, o banco tinha aceitado a criação de mais duas importantes mesas temáticas de negociação permanente: de saúde e modelo digital.

Nesta segunda-feira, aceitou estudar a abertura de mais uma que discutiria especificamente questões relativas aos funcionários originários de bancos que se fundiram com o BB: Nossa Caixa, Banco de Santa Catarina (Besc) e Banco do Piauí (Bep).

O funcionalismo do banco deve ficar atento às negociações. Acompanhar os informativos e participar das mobilizações da campanha, não apenas as da negociação específica, mas também que vem acontecendo entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban. Nova rodada sobre Saúde, Condições de Trabalho e Segurança deverá ser marcada. Por enquanto, consta do calendário: 26/7, em São Paulo, Emprego, Cláusulas de Relações Sindicais e Sociais; e dia 3/8, também em São Paulo, Cláusulas Econômicas



Diretoria

Carlos Alberto Longo
Vice-presidente
Alcindo Machado Franco
Suplente
Marcos Pereira Araújo
Suplente
Claúdio Aparecido dos Santos
Suplente
Daniela M. da Costa
Suplente
Christian Luiz Pereira
Suplente

Sindicato dos Bancários de Dourados e Região - MS

Rua Olinda Pires de Almeida, 2450 Telefone 0xx67 - 3422 4884