Banco Santander

6 de Agosto de 2019 às 10:54

Negociação com o Santander tem avanços

As negociações no Santander tiveram um pequeno avanço na reunião realizada na semana passada, quando dirigentes sindicais estiveram em negociação com o com o banco.

Ampliação do prazo para os bancários retirarem certificação e reajuste do quilômetro rodado com base no IPCA. Esses são alguns dos avanços obtidos durante a negociação entre o Santander e os representantes dos funcionários, na semana passada. As demais pendências, inclusive muito importantes, ficaram sem acordo.  

É o caso do aumento abusivo na mensalidade e coparticipação do plano de saúde. Sem condições de arcar com despesas tão altas, muitos trabalhadores estão deixando de ir às o número de consultas e exames. Embora represente um risco ao funcionário, o Santander negou a implantação de um teto de R$ 200,00 para a coparticipação.

A direção da empresa informou que os casos críticos, como o de bancários que fazem tratamentos caros e contínuos, são encaminhados à área de assistência social. 

Os problemas enfrentados por quem retorna à atividade depois do afastamento do INSS também ficaram sem resolução. Em via de regra, o banco desconta na folha de pagamento de quem tem o benefício do INSS negado todo adiantamento a que tem direito, deixando-o sem salário. O método afronta o acordo coletivo da categoria.

A reivindicação é para que a devolução do adiantamento seja de no máximo 20% do salário, a partir do retorno do trabalhador, nos casos em que a "dívida" não tenha sido quitada antes. Mas o Santander fugiu do debate e disse que a questão deve ser debatida com a Fenaban. 

Sobre a carteira de clientes dos gerentes afastados por até 180 dias, que só podem mudar de agência se houver pedido médico, a direção da empresa ficou de analisar a questão. Já os gerentes afastados por mais de 180 dias que, porventura, tenham perdido a carteira, terão prioridade no preenchimento das vagas correspondente à sua função que sejam abertas nas agências da regional de origem.

Outra polêmica é a mudança na DUT (Data do Último Dia Trabalhado). A nova versão do documento, segundo os bancários, tenta influenciar a perícia médica em relação ao problema que causou o afastamento do funcionário. Pela regra do INSS, a empresa deve se limitar a informar sobre o último dia trabalhado daqueles que se afastam das atividades e dão entrada na Previdência Social. Por incrível que pareça, o banco alega que pretende "ajudar" o perito. 

 



Diretoria

Marcos Mota Medalha
Segundo Secretario
Walter Teruo Ogima
Diretor Financeiro
Laudelino Vieira dos Santos
Diretor de Formação Sindical
Dulcinéia Duarte Machado
Suplente
Emerson Azambuja Peral
Suplentes
Ronaldo da Silva Costa
Suplente

Sindicato dos Bancários de Dourados e Região - MS

Rua Olinda Pires de Almeida, 2450 Telefone 0xx67 - 3422 4884