Caixa Federal

24 de Maio de 2018 às 09:20

Mudanças no Saúde Caixa são absurdas e só prejudica trabalhador

A direção da Caixa Econômica, aliada do governo federal que trabalha nos bastidores para privatizar os bancos públicos, tem provocado uma onde de descontentamento na empresa.

Não bastasse o desmonte da empresa, agora as mudanças no Saúde Caixa atingem em cheio os usuários, inclusive a renda mensal.

Em 2004, o banco passou a pagar 70% das despesas assistenciais, sendo que os 30% ficaram com o empregado.

A nova direção da empresa alterou esse modelo e as resoluções do governo neoliberal de Temer e a recente alteração no estatuto da instituição propõem um limite correspondente a 6,5% da folha de pagamento para a participação nas despesas.

O Saúde Caixa passa a correr sério risco de ficar mais caro e inacessível, sobretudo para os aposentados.

Para chamar a atenção e sensibilizar os diretores o movimento sindical, contrário a essa mudança está realizando nesta quinta-feira(24) em todo o país um Dia Nacional de luta, contra o sucateamento do plano.

As principais alterações são consideradas absurdas pois, os filhos só poderão ser dependentes até os 24 anos e têm de estar cursando a universidade.

Antes, a cobertura era até os 27 anos, sem demais exigências. As mensalidades únicas para família passam a ser por pessoa e de acordo com a faixa etária.

O plano terá período de carência, diferentemente do que é hoje. Tem mais, os novos empregados não terão mais direito ao Saúde Caixa.



Diretoria

Edson Claudio Rigoni
Secretario Geral
Wagner Katsumi Takahachi
Suplente
Benilson de Lázari
Suplente

Sindicato dos Bancários de Dourados e Região - MS

Rua Olinda Pires de Almeida, 2450 Telefone 0xx67 - 3422 4884