Banco Santander

9 de Março de 2020 às 14:51

COE Santander cobra tarifa zero para funcionários

Após dois dias de intensas negociações sobre o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT), o banco Santander não atendeu a uma das principais reivindicações  dos funcionários: a isenção de tarifa e linhas de crédito com condições diferenciadas para os empregados do banco. A mesa realizou-se nos dias 3 e 4 de março.

No primeiro dia, o banco havia apresentado uma proposta que prevê a renovação do atual acordo, alterando apenas o índice de correção do piso do Programa Próprio de Resultados Santander (PPRS), de acordo com o índice da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria. Os representantes dos trabalhadores recusaram a proposta do banco no momento de sua apresentação e deixaram claro que, além de renovar na íntegra o aditivo, é preciso avançar em alguns pontos.

 

Os representantes dos trabalhadores alegam que não se trata do absurdo, estamos pedindo nada que o banco, que lucrou R$ 14,550 bilhões em 2019, não possa oferecer aos funcionários. Na Europa e na América, os funcionários do Santander não pagam tarifas como clientes. Enquanto, aqui no Brasil, onde somos responsáveis por 28% do lucro global do banco, não temos contrapartidas da empresa.

Entre as reivindicações, os trabalhadores reivindicam também que sejam revistos os custos de coparticipação do plano de saúde; haja redistribuição da bolsa auxílio pós-graduação e MBA; e que o piso da PPRS seja de R$ 3.658,00, para equiparar o resultado do banco à participação paga aos empregados. 

Os trabalhadores também reivindicam que o banco pague não só a primeira prova do CPA20, mas também as outras que os funcionários tiverem que fazer, já que a certificação é uma exigência do banco.

O banco disponibilizará um simulador para os funcionários treinarem e estudarem antes de fazerem a prova e que marcará a prova do funcionário quando este atingir 80% de aproveitamento no simulador.

Para a PPRS, a proposta do banco é aumentar o piso dos R$ 2.660,00 atuais para 2.800,00. Para o ano 2020 e 2021 a PPRS seria reajustado pelo índice da CCT daquele ano.

Em relação à isenção de tarifas, o banco pediu 30 dias para apresentar uma proposta, mas não quer vincular a renovação do aditivo à essa pauta.

Fonte: Contraf

 



Diretoria

Marcos Mota Medalha
Segundo Secretario
Walter Teruo Ogima
Diretor Financeiro
Laudelino Vieira dos Santos
Diretor de Formação Sindical
Dulcinéia Duarte Machado
Suplente
Emerson Azambuja Peral
Suplentes
Ronaldo da Silva Costa
Suplente

Sindicato dos Bancários de Dourados e Região - MS

Rua Olinda Pires de Almeida, 2450 Telefone 0xx67 - 3422 4884