Banco do Brasil

14 de Fevereiro de 2020 às 10:20

Banco do Brasil paga PLR dia 5 de março

O presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, anunciou nesta quinta-feira 13 o pagamento da segunda parcela da PLR 2019 no dia 5 de março. Na ocaisão, ele comemorou o lucro líquido do BB de R$ 18,162 bilhões em 2019, um aumento de 41,2% em relação ao ano anterior, e desdenhou de resultados passados. “Após resultado fraco em gestão petista, banco começou escalada”, ironizou, acrescentando que o BB “está vivendo um momento extremamente feliz em sua história”.  O Movimento sindical rebateu a declaração de Novaes de que “o banco começou uma escalada após o resultado fraco nas gestões petistas”.

“Somente com a reestruturação atrapalhada que concentrou as gerências PJs, em 2017, durante o governo Temer, o banco perdeu 51% da carteira de crédito de micro e pequenas empresas e nada disso foi em gestão petista”, criticou o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

Preparando a privatização

Os sindicatos denunciam que o governo está preparando o BB para a privatização, reduzindo o quadro de pessoal, fechando agências, extinguindo departamentos e limitando a capacidade de fomento.

“Essas medidas tiram o caráter público do banco e o aproxima de tudo aquilo que os bancos privados têm de ruim: se importam muito mais com o lucro do que com o atendimento das necessidades dos clientes”, disse.

Segundo dados do Balanço apresentado nesta quinta-feira, durante o ano de 2019, o banco havia reduzido seu quadro de funcionários em 3.699 postos de trabalho. Foram fechadas 366 agências no período.

“As pessoas que necessitam da agência bancária precisam se deslocar por longas distâncias, muitas vezes têm que ir a outras cidades para poder contar com os serviços bancários. Quando a encontram precisam enfrentar longas filas por causa da redução de funcionários e da concentração da demanda”, disse Fukunaga ao reforçar que a cada ano aumenta o número de cidades sem nenhuma agência bancária.

“O serviço bancário é uma concessão pública. Os bancos têm papel social a cumprir. Um desses papéis é justamente o de garantir o acesso aos serviços bancários para toda a população. Ao fechar agências e demitir funcionários o banco pode até economizar recursos e aumentar seus lucros. Mas, deixa de cumprir seu papel social. O Banco do Brasil, como banco público, deveria estar preocupado em atender a população com qualidade e respeito”, concluiu.

Fonte: Contraf

 



Diretoria

Carlos Alberto Longo
Presidente
Christian Luiz Pereira
Diretor Regional
Alcindo Machado Franco
Titular
Francisco Martins de Souza
Titular
Marcos Pereira Araújo
Titular
Roselene Silva O. Silvério
Suplente
Priscila Forni Donzelli Bonadio Lopes
Suplente

Sindicato dos Bancários de Dourados e Região - MS

Rua Olinda Pires de Almeida, 2450 Telefone 0xx67 - 3422 4884